terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

MUITO PRAZER

“– Belo porque é uma porta
abrindo-se em mais saídas.”
“– É tão belo como as ondas
em sua adição infinita.”
“– Ou como o caderno novo
quando a gente o principia.”
Do poeta João Cabral de Melo Neto, em "Morte e Vida Severina".

É o que sinto: um prazer imenso em iniciar, neste espaço virtual, o blog Literatema. E, através dele, poder comunicar-me com os leitores do nosso Brasil e, talvez, de outras partes do planeta.
Procurarei inserir neste espaço, dentro das minhas possibilidades, os mais variados assuntos e formas literárias, conforme sugere o título. Serão crônicas, contos, artigos, poesias, humor e casos que o leitor possa julgar pertinentes.
Confesso ao amigo leitor que escrever, para mim, não é uma tarefa fácil. Admiro escritores como Fernando Sabino, Millôr Fernandes ou Luís Fernando Veríssimo, que, dotados de uma fonte inesgotável de assuntos interessantes, parecem exercer sua profissão com a maior facilidade. Isto não acontece comigo. Fogem-me as idéias, os períodos encandeiam-se a custo, a palavra exata brinca de esconder.
Comparo as dificuldades de escrever com os obstáculos enfrentados numa escalada ao Evereste. Para mim, obviamente. Poucos chegam ao cume. Mas penso que é importante tentar. O alpinista sente-se realizado — mesmo que não consiga fincar sua bandeira no topo — quando sabe que encarou o desafio da montanha com coragem e vontade de vencer.
Nada melhor do que a poesia do mestre João Cabral de Melo Neto para exprimir o que sinto hoje, ao principiar este blog.

(Ver postagem anterior, de ontem.)

4 comentários:

marlise disse...

Não seja tão modesto Lá. Você pode, você consegue. Vá em frente. Abraços.

Luiza Miranda disse...

Querido Lá,
É emocionante ler seus escritos, porque vc escreve com a alma e com um lirismo impar.
Ter um professor como vc é uma glória para mim.
Seu apoio foi e é fundamental para eu continuar a brincar com as palavras.
Quem sabe algum dia conseguirei ter a sua sabedoria, espero que sim!
Com carinho, admiração e agradecimentos da mana,
Luiza Miranda

Renan disse...

De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar... A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar.... Portanto devemos: Fazer da interrupção, um caminho novo ... Da queda, um passo de dança... Do medo, uma escada... Do sonho, uma ponte... Da procura, um encontro...

Lamartine Miranda disse...

Marlise, Luiza e Renan,
Agradeço muito os elogios e, principalmente, o incentivo que recebi através de suas mensagens.
Parodiando Renan, "de tudo restou a certeza da fraternidade, a realização de um sonho, e, sobre uma ponte, o encontro da amizade..."